Home » A Industria Cultural & a Criacao Do Mito Do Principe Encantado by Cleberson Eduardo Da Costa
A Industria Cultural & a Criacao Do Mito Do Principe Encantado Cleberson Eduardo Da Costa

A Industria Cultural & a Criacao Do Mito Do Principe Encantado

Cleberson Eduardo Da Costa

Published March 12th 2014
ISBN : 9781497326002
Paperback
144 pages
Enter the sum

 About the Book 

As sociedades do capital, a partir do desenvolvimento da Industria Cultural, criaram dois tipos padronizados e ideais de homens e mulheres, ainda que paradoxais em si mesmos como, por exemplo: 1- Os homens que, ao mesmo tempo, sao ricos,MoreAs sociedades do capital, a partir do desenvolvimento da Industria Cultural, criaram dois tipos padronizados e ideais de homens e mulheres, ainda que paradoxais em si mesmos como, por exemplo: 1- Os homens que, ao mesmo tempo, sao ricos, inteligentes, musculosos, elegantes, fieis as suas amadas, carinhosos, pais de familia, etc., ou seja, as representacoes ficticias perfeitas dos principes encantados- 2-As mulheres que, ao mesmo tempo, sao ditas do tipo de familia, comportadas, fieis, donas de casa, maes de familia e, numa outra via, as dita escravas sexuais, ditas gostosas, sex, sedutoras, etc. Como se ve, esses dois ideais ditos perfeitos de homens e mulheres sao paradoxais e, portanto, nao existem no mundo real. Ou seja, no mundo real, fora da ficcao, os homens ditos ricos (estereotipos do principe encantado), ditos belos, musculosos, elegantes, etc., com raras excecoes, nao estao em busca de uma so mulher para relacionamentos, mas de varias, usando-as como produtos descartaveis e, nesse sentido, nao estao tambem procurando serem pais de familia. Isto e, os homens, nessas condicoes, nao amam: eles, com raras excecoes, sao apenas, pelas muitas mulheres, amados e idealizados como solucao para as suas vidas. Do outro lado, do feminino, da-se o mesmo: Muitas mulheres que procuram, a todo custo - fazendo plasticas, aulas intensas de academia, colocando proteses de silicone, etc. -, investir macicamente na busca da beleza, tentando-se, assim, entrarem no padrao dito de beleza, nao o fazem para poder amar, mas para serem amadas e/ou desejadas nao por um, mas por muitos homens. Em outras palavras, o que se quer dizer e que, todos aqueles que, voluntaria e/ou involuntariamente acabam sendo enquadrados dentro dos padroes de beleza esteticos definidos pela industria cultural, naturalmente se tornam tambem, como produtos, em objetos de consumo de todo os outros, dentro ou fora do padrao e, nesse sentido, sao tratados tambem como serem humanos descartaveis. Ou seja, homens e mulheres que se encontram dentro desses padroes, psicossocialmente estao tambem colocados, ainda que inconscientemente, somente para serem desejados e/ou amados, como objetos de consumo, e nao para amarem e/ou desejarem. Isso talvez explique porque e que existe, nessas sociedades, uma infinidade de homens e mulheres que ficam, no dito popular rodando de mao em mao, em busca dos seus ditos pares e/ou parceiros ideais. Em outras palavras, o que se quer e que se deve tambem dizer e que: Os homens (os estereotipados de principes), nas sociedades capitalistas pos-modernas, sao adestrados para quererem as mulheres ditas faceis, ditas experientes sexuais, para a realizacao das suas satisfacoes e facanhas sexuais. Entretanto, na hora de se casarem, preferem aquelas que tenham tido nenhuma e/ou mesmo pouquissimas experiencias sexuais e, alem disso, que demonstrem estar com eles nao pelo que possuem, pelo dinheiro que possam ter, mas pelos sentimentos (ainda que dissimulados) que elas possam vir a nutrirem por eles. O preconceito do homem em relacao as poucas experiencias sexuais por parte da mulher esta justamente atrelado a questao do tamanho do penis e a questao da virgindade, referente ao estabelecimento, na sua mente, de dois mitos, respectivamente: 1- Entre os homens existe o mito de que a mulher que, supostamente, tenha tido muitas experiencias sexuais, acaba tendo a vagina alargada, extenuada alem da conta, sempre sentindo o desejo de continuar com essas experiencias, numa busca incessante por um penis grande que a satisfaca, nunca sendo ela, entretanto, plenamente satisfeita, mesmo depois de estar casada, o que a levara, supostamente, para eles, virem a cometer possiveis adulterios. 2-Entre os homens esta tambem difundida a ideia, o mito de que o homem com quem a mulher perde a virgindade nunca e por ela totalmente esquecido e que, inclusive, ele pas